conceito

Direito de Sambar

sambistas_vale

Desde que o Samba é Sampa: as geografias do humano nas Rodas de Samba de São Paulo  é uma ação que pretende re-conhecer e compartilhar com o público a importância e a história das rodas de samba na cidade de São Paulo, através da pesquisa em campo nas rodas de samba, recolhimento de entrevistas, fotos e material audiovisual.

Compreendendo o ritmo, herança dos povos bantus e dos filhos d’África, como sendo o espaço da poesia que agrega, que acolhe e atravessa os tempos-espaços, compondo o mosaico de cultura de resistência das periferias paulistanas.

O presente projeto é um desdobramento de uma primeira etapa intitulada “Desde que o Samba é Sampa: um estudo compartilhado sobre as rodas de samba de São Paulo”, contemplado pelo VAI – Prêmio de Valorização de Iniciativas Culturais da Prefeitura de São Paulo.

Na primeira etapa, em agosto de 2012, foram realizados quatro encontros público com historiadores, sociólogos e sambistas que falaram sobre a importância da Roda de Samba no processo de criação da identidade paulistana e como universo de construção simbólica do indíviduo/comunidade. Os encontros derivaram na edição da revista eletrônica virtual Samba-Sampa, onde os textos, os vídeos e as fotos das rodas de conversa foram compartilhados com o público, transformando-se num espaço de reflexão das rodas de samba paulistanas.

Nesta segunda etapa, o projeto pretende promover a reflexão e o entendimento das rodas-de-samba como espaço genuíno da manifestação popular e de construção do universo simbólico, através de seu principal extrato: o ser humano e a comunidade. Onde diálogo de gerações e a diversidade são os motores da produção cultural e do capital simbólico da comunidade afro-descendente paulistana. Sendo um espaço de diálogo multimídia, realizando mostra de filmes brasileiros que têm no samba sua principal personagem, manutenção e publicação periódica de textos e fotos da pesquisa realizada nas Rodas de Samba, e em exposição fotográfica das rodas de samba paulistanas.

O que compõe e como se configura a tradição das rodas de samba?

Como se dá o encontro do sagrado e do profano nos terreiros do samba?

Quem são os homens e mulheres que mantêm a tradição do samba nas comunidades?

Quais são as fronteiras com o sagrado, com a tradição dos terreiros?

Como a oralidade e as histórias se mantém ao longo das gerações?

Como as rodas de samba interferem no espaço público?

Anúncios